sábado, 20 de agosto de 2011

UM GRANDE ENGANO

Casados há oito anos, aquele casal sentado na sala de estar conversavam sobre o assunto:
- Amor, amanhã cedo, vem a nossa casa um especialista em reprodução humana, ele está com uma eficientíssima técnica de fertilidade?
- Mas, querido, você vai estar em casa?
- Não se preocupe, ele é altamente recomendado, inclusive a esposa do meu chefe só engravidou, como você sabe, depois de fazer o tratamento com ele!
- Então tá, se você confia, vamos para mais essa tentativa!
- Muito obrigado, querida, você sabe o quanto eu quero um filho!
Após a conversa o casal foi dormir.
No outro dia, exatamente às oito e trinta da manhã alguém toca o interfone, a mulher ansiosa vai atender:
- Quem é?
- Sou o especialista que o seu marido solicitou!
- Ah, já vou abrir! – Mal sabia a mulher que o homem que estava a sua porta não era o especialista em concepção humana, mas um fotógrafo que errara de casa, e que também havia sido encaminhado por um marido que queria que fizesse algumas fotos profissionais da esposa para ser usada na festa de dez anos de casados.
- Bom dia! – Cumprimenta o fotógrafo.
- Bom dia! – Responde a mulher um tanto nervosa.
Particularmente a mulher esperava um homem um pouco mais velho, afinal de contas médicos e cientistas renomados normalmente tem mais de trinta anos, mas aquele à sua frente aparentava, no máximo, vinte e cinco anos, mas pensou – essa geração está tão precoce!
- Seu marido já falou sobre mim?
- Já sim, ele explicou sobre sua eficiência.
- Então tá, eu vou ser rápido, pois tenho outras clientes ainda hoje pela manhã!
- Como o senhor deseja que eu me prepare para dar início?
- Bem, eu sou bem prático, uso os métodos convencionais, não gosto de muita preparação, afinal de contas tudo tem que sair bem espontâneo.
- O senhor disse métodos convencionais?

- Sim minha senhora, métodos convencionais, seus marido sabe disso e aprovou!
- Então tá! Por onde o senhor quer começar?
- Eu vou querer uma no sofá, uma outra no tapete da sala, outra na cozinha... – Nem terminou a frase e a mulher interrompeu.
- É necessário tudo isso? – Perguntando com olhar assustada.
- Olha, eu sou o especialista e sei o que é melhor, se a senhora quer um serviço bem feito tem que ser do meu jeito, afinal de contas, para uma boa reprodução, é necessário várias posições!
- Várias posições? – Fala a mulher um tanto assustada.
- Sim, quanto mais vezes, aumenta a chance de eficiência na produção.
- Então tá, se é assim, vamos lá!
- Bem, como eu estava lhe dizendo vamos fazer também uma no banheiro, uma outra na cama... – Novamente ele nem terminou e ela, nervosa solicitou:
- Vamos deixar esses detalhes para depois, vamos fazendo e as coisas vão acontecendo com o senhor quiser, tá bom!
- Bem, então enquanto a senhora vai se preparando eu vou ao carro buscar o tripé!
- Tripé! Pra quê tripé?
- Ora minha senhora, para dar firmeza ao instrumento de trabalho!
Nesse momento a senhora virou o olho e caiu desmaiada no tapete da sala. O fotógrafo não entendeu nada.

3 comentários:

  1. Olá,adorei vir aqui.O blog é ótimo.
    Somos colegas quatro três :tb sou professora,escritora,blogueira e membro da UBE.
    Abração

    ResponderExcluir
  2. MUITO DIVERTIDO SEU CONTO!!!!HÁ DIAS NÃO RIA TANTO!QUE LOUCURA...É MUITA IMAGINAÇÃO! PARECEU-ME ESTAR OUVINDO VOCÊ CONTAR...pASSE NO aMOROSIDADES - TENHO POESIA NOVAS E POSTEI UMA MÚSICA LINDA!

    ResponderExcluir
  3. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Nayara e cheguei até vc através do Blog Flores no Jardim. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir um blog do meu amigo Fabrício, que eu acho super interessante, a Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. A Narroterapia está se aprimorando, e com os comentários sinceros podemos nos nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs





    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.



    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir